Posso Todas as Coisas Naquele Que me Fortalece – Filipenses 4.13

Partes de um sermão de Joseph A. Alexander, traduzidas e adaptadas pelo Pr Silvio Dutra.

Esta não é apenas a experiência pessoal de Paulo, mas de todos os que são participantes da “fé igualmente preciosa”.
Todos nós precisamos de força; todos nós precisamos de alguém para nos fortalecer. Conscientes ou inconscientes da nossa fraqueza, somos fracos. A nossa própria força é fraqueza. Nós não temos a força suficiente para sermos fortes. O esforço de fraqueza não pode produzir força. A impotência, em assuntos espirituais, é uma parte da nossa maldição hereditária. Temos de olhar para fora de nós mesmos para a sua remoção. E para nos salvar de uma busca vã, a palavra de Deus define Cristo de uma só vez diante de nós como nossa força, nosso fortalecedor.
Todo verdadeiro crente, em sua medida, tem o direito de dizer: Eu posso fazer todas as coisas através de Cristo que me fortalece. De mim mesmo nada posso fazer; mas através de Cristo eu posso fazer todas as coisas, tudo o que é obrigação, tudo o que é necessário, tanto para minha própria segurança, quanto para o bem dos outros, ou para a honra do próprio Cristo.

Pode ser propício para a clareza de nossos pontos de vista, se perguntar (1) como ele nos fortalece, e (2) para que ele nos fortalece?

Primeiro, então, de que forma e com que meios, Cristo nos fortalece? Eu respondo, negativamente, não por milagre ou mágica, não agindo em nós sem o nosso conhecimento ou contra a nossa vontade, mas através de nossos próprios poderes inteligentes e ativos. Eu exponho positivamente, em primeiro lugar, que ele nos fortalece nos instruindo, iluminando nossas mentes no conhecimento de si mesmo e de nós próprios e, especialmente, fazendo-nos sentir nossa fraqueza e compreender seus poderes. Ele nos mostra o que é uma fraqueza moral, conectada com uma depravação moral universal, envolvendo todos os nossos poderes e afetos. Ele nos mostra nossa dependência da misericórdia de Deus para o alívio e livramento deste estado debilitado indefeso, e nos ensina a procurá-lo – ao Senhor Jesus Cristo, como o nosso profeta, instrutor infalível, e nosso fortalecedor.

Ainda, ele nos fortalece por seu exemplo. Isto não é feito por preceito ou por doutrina simplesmente, que ele trabalha esta mudança necessária em nós. Ele não tem apenas dito o que é certo. Ele nos mostra como fazê-lo.
Mas preceito e exemplo não é tudo. Podemos ouvir os preceitos de Cristo, e ainda não obedecê-los. Podemos ver seu exemplo, e ainda não segui-lo. Com tanto à vista, ainda podemos ser impotentes para o bem espiritual, a menos que alguma nova energia trabalhe dentro de nós, assim como uma máquina está completa e bem ajustada, mas sem efeito ou uso até que a energia em movimento é aplicada. Mas quando ela é aplicada, quando tudo é posto em movimento, quão distintamente as peças realizam seu trabalho e harmoniosamente contribuem para o resultado final!
Mas nós não somos máquinas, movidos por uma força externa, sem uma cooperação consciente de nossa parte. Estamos ativa e espontaneamente em nossos exercícios espirituais.

“O amor de Cristo nos constrange.” Se o amor faltar, tudo está perdido; não podemos fazer nada; ficamos tão fracos como sempre. Mas deixe o amor de Deus operar em nossos corações, e todo o conhecimento e os motivos que tinham permanecido muito tempo inertes, começam a se mover, e na direção certa. Todos os poderes e afetos são despertados, e o que parecia impossível, agora é sentido como sendo fácil. Aquele que uma vez não podia fazer nada, agora é capaz de “fazer todas as coisas.”
Irmãos, o poder de Cristo nos fortalece, quando o amor de Cristo nos constrange.

Novamente: Cristo nos fortalece por operar a fé em nós, e fazendo-se conhecido a nós, como o objeto dessa fé. Nesta vida o mais favorecido deve andar pela fé e não pela vista. Cristo é para todos nós um Salvador invisível. Sua palavra e seu exemplo estão de fato diante de nós. Mas a razão e o propósito de seu relacionamento conosco podem ser totalmente inexplicáveis.

Portanto, a fé fortalece. Para ser forte, devemos acreditar e confiar. A razão deste fato é óbvia. Se esperarmos até que vejamos e compreendamos a solução de todas as dificuldades, nunca começaremos a agir, e tal inação é, claro, é um estado de debilidade. Se nos recusamos a tomar qualquer coisa como concedida, ou receber qualquer coisa com confiança, uma ação rápida e energética é impossível. As situações de emergência que a exijam passarão antes que tenhamos nos colocado em movimento.
A correção desta fraqueza é um bem colocado para confiar em alguma coisa fora de nós mesmos. A confiança cega é pior do que a fraqueza; mas uma confiança em algo ou alguma pessoa que seja digna, é uma fonte, uma fonte inesgotável de força.

Cristo nos permite, e nos convida, a confiar nele. E qual é o alicerce mais seguro sobre o qual podemos construir? Seu poder onipotente,
sua onisciência, a perfeição de sua sabedoria, a verdade, e bondade, e o mérito infinito de sua obra de salvação, tudo garante uma confiança implícita e inabalável. E lançando-nos sobre ele, podemos descartar nossas dúvidas e medos, extinguir nossos erros e pensamentos vagos, concentrar todas as nossas energias nos deveres presentes, e fazer maravilhas da obediência, encorajados pelo testemunho e exemplo de ” uma nuvem tão grande de testemunhas”, que por meio da fé venceram reinos, praticaram a retidão, alcançaram promessas, fecharam as bocas dos leões, apagaram a violência do fogo, escaparam do fio da espada, retiraram força da fraqueza, e puseram em fuga os exércitos do inimigo.”

Este é o ofício e efeito da fé. Não temos um salvador ausente. Ele não está longe, pois nele vivemos, e nos movemos, e existimos. Também não estamos apenas perto dele. Estamos unidos com ele. Estamos enxertados nele, estamos inseridos nele. A vida que agora vivemos não é mais nossa, mas de Cristo, e a força espiritual que agora exercermos é no mesmo sentido dele, o poder que se aperfeiçoa na fraqueza; de modo que quando estamos fracos então somos fortes; e em vez de desesperar, podemos nos gloriar nas fraquezas. Esta nova,
transcendente, real, embora seja uma força misteriosa, é o fruto da união com o Salvador; e a união que gera essa força é produzida pela fé. Assim, nos sentimos fortes à medida que crescemos conscientes de nossa união e identidade com Cristo. Nele podemos todas as coisas. Este é o verdadeiro sentido da linguagem de Paulo.

Comentários

comentarios

Book your tickets